Weekend’s Clip: “The Guitar Man”, do Bread

14 08 2010

Desculpem pela má qualidade do vídeo. Foi o único decente que encontrei.

Essa semana foi a volta às aulas na minha faculdade, portanto, não tô com muito saco pra escrever xD

“Guitar Man”, sucesso da década de 1970, jogou a já conhecida banda de acordes harmoniosos e singles de rock bem melódicos no topo do Billboard. Bread correu o mundo e todos se identificavam com o “Guitar Man” (guitarrista), sonho dos jovens daquela época (e dos de hoje também).

Curtam Bread. E lembrem-se: “The Guitar Man” não é uma música do Cake! É do Bread!

Nunca confudam.

@cadu_macedo

Anúncios




Weekend’s Clip: “Moonage Daydream”, de David Bowie

31 07 2010

A coluna “Weekend’s Clip” de hoje deixará de lado, pelo menos por um dia, os clipes de estúdio.

“Moonage Daydream”, de David Bowie, foi lançada em 1971, junto com o poderoso e lendário álbum “The Rise and Fall of Ziggy Stardust“, obra-prima de David.

Este ao vivo, gravado no concerto de despedida de Bowie (da sua banda), em 1973, mostra o cantor na sua melhor forma do personagem Ziggy Stardust, nome do alienígena que o artista incorporou nessa época. Pra quem não conhece a história do álbum, não se preocupe, o Acervo Musical lançará a sua análise por esses dias. ; )

Apenas curtam a música e experimentem a mente de Bowie.

@cadu_macedo





Nota de Emergência – Soko e Coquetel Molotov

30 07 2010
As primeiras notícias sobre o Coquetel Molotov 2010 já começaram a sair e… SOKO! SOKO! SOKO! SIM! SOKO! Stéphanie Sokolinski está vindo para Recife para cantar no festival e todo mundo que for vai ter a oportunidade de ouvir a ótima artista que ela é! Vamos todos odiar aqueles(as) que roubaram os corações dos nossos amados(as) em “I’ll kill her”, nos declarar ao som de “Take my heart” ou fazer as pazes cantando “It’s raining outside”. Imperdível.
.
Esse ano o Coquetel vai passar por vários lugares, começando no dia 03 de setembro, mas aporta no Centro de Convenções da UFPE dias 24 e 25. Outras atrações confirmadas (até agora): Otto, Emicida, Anna Von Hausswolff, Taxi Taxi! e Taken by Trees. O Acervo vai postar mais notícias sempre que souber de algo.




Weekend’s Clip: “Here It Goes Again”, do OK Go

16 07 2010

Boa noite, pessoal! De novo, é muito bom estar de volta!

Desculpem por esses dias sem atualizar o blog, mas é que universidade não é brincadeira. xD

Hoje, completamos a trilogia iniciada há um tempo atrás: “Here It Goes Again“, do OK Go (banda conhecida por aqui ; ]), se junta a “This Too Shall Pass” e “End Love“, formando uma das melhores “trilogias” de clipes do mundo.

Fala-se muito em trilogia pois as três produções foram criadas e tiveram motivações totalmente diferentes. OK Go continua a ser uma das bandas mais influentes nos clipes “alternativos” (e caros!), mas começa agora a dividir este reinado com conjuntos ainda mais undergrounds, fechando seu ciclo de liderança isolada. Isso é bom. Quanto mais gente produzindo conteúdo, maior será a variedade e quantidade de trabalhos sensacionais. Essa é a teoria. xD

Aproveite. Quem sabe você não faz isso na academia?

@cadu_macedo





Soko

25 06 2010

Soko (Stéphanie Sokolinski) é uma cantora francesa. Eu a descobri há pouco tempo, quando uma amiga do Twitter me indicou. Eu fui pesquisar e descobri que ela só tem um EP lançado, infelizmente. O nome é “Not Sokute” e tem cinco músicas: “Dandy Cowboys”, “Shitty Day”, “I’ll Kill Her”, “Take My Heart” e “It’s Raining Outside”. Quem gosta de Regina Spektor, Kate Nash, Tiê e derivados com certeza vai gostar dela.

Não sei se gosto mais de “I’ll Kill Her” ou “Take My Heart”. “You can take my heart for a walk on the beach / you can take my heart for a little trip / you can take my heart very close to your heart / you can take my heart forever if you like”. OK, se você não chorar com isso, com certeza vai chorar com “If I take your heart, I will cherish it every day / if I take your heart, I will heal these old wounds / if I take your heart, it’s to make it happy / If I take your heart, it’s forever close to mine”. É uma daquelas músicas que você gosta de ouvir quando acorda um dia e resolve amar alguém. Ou quando está assando biscoitos em um lindo dia de Sol. A voz da Soko tá bem calminha (até infantil, mas não é um defeito) e há uns sinos tocando. É ótima.


I’ll Kill Her” foi a que mais recebeu destaque (até porque ela foi a única que virou single). Não vou dizer que seja a melhor, mas sem dúvida foi a mais indicada pra ser uma estreia. A diferença de Soko para outras artistas do gênero que eu escuto é justamente a agressividade presente nessa música: ao invés de pôr a culpa do fracasso no seu amado (um hábito muito recorrente), ela simplesmente dispara: “If I find her / I’ll kill her / she stole my future, she broke my dream / I’ll kill her”. Pra quem está acostumado ao estilo musical de Regina e companhia, isso faz toda a diferença. E acreditem, é uma música romântica.

As duas músicas se contrapõem totalmente, é verdade; a primeira é cantada por uma garota apaixonada, de bem com o mundo, super feliz. A segunda é cantada por uma mulher ressentida, enraivada, puta da vida. E não é justamente isso que todo mundo tem dentro de si? Por mais romântico que você seja, aposto que mataria “her” ou “him”. Go Soko.

It’s Raining Outside” é a música de fossa, daquelas que você ouve fumando um cigarro em uma cadeira de balanço em uma madrugada de chuva. “I run away by foot / lost in the empty street / you are supposed to follow me / but you are too proud to do it / here in my bed, you’re miles away from me / here in my head, you’re never close to me / come on, don’t be mad, I told you I need you / come on, don’t be sad, I’m still in love with you / I’m still in love with you / I’m still in love with you.” Acho que tudo já foi dito.


Soko é pouco conhecida aqui, mas ela é uma atriz até famosa na França (ela já foi indicada ao César Award pelo papel de melhor atriz) e já abriu os shows de Pete Doherty, Babyshambles, Kate Nash, Nouvelle Vague, M.I.A., dentre outros; ela já cantou na Dinamarca, Reino Unido e Austrália. Em janeiro de 2009, infelizmente, muito infelizmente, ela declarou no MySpace que estava “morta” e abandonando a carreira musical, porque a indústria da música a estava assustando e ela queria voltar a atuar. Em agosto, uma luz no fim do túnel: ela falou que havia “renascido” e agora estava escrevendo novas músicas. Ela também tem um álbum duplo (~Matheus em êxtase~) gravado, mas não pretende lançar. Mas quem sabe, né?


Essa foi a minha estreia aqui no Acervo. Eu vou voltar periodicamente com a minha coluna, “Quinto Andar“. Espero que tenham gostado.

@idealismo_

*Matheus é colunista do Acervo Musical





Acervo Musical + Abril Pro Rock = : )

11 04 2010

.

Olá, queridos amigos! Damos hoje início à primeira promoção criada pelo nosso blog!

A idéia era justamente juntar o conteúdo do Acervo Musical com algum evento que transmitisse e proporcionasse a todos o intercâmbio de cultura e a popularização da música. E qual evento é esse?

Sim,  Abril Pro Rock!

Assim, decidimos sortear 1 ingresso (para o sábado-17/04) do evento, primeiramente. Durante a semana, mais coisas podem surgir!

Para participar: entre neste post e comente a seguinte frase: “Eu curto o Acervo Musical!“. Ah, lembre-se de colocar seu nome, e-mail e  se você é estudante! Caso não seja, não tem problema. A gente só precisa disso pra logística financeira ($$$) da promoção. OK?

Rock!

twitter.com/acervomusical
twitter.com/cadu_macedo
twitter.com/nicysneiros





Weekend’s Clip: “Strawberry Swing”, do Coldplay

2 04 2010

Um dos melhores e mais demorados clipes da história. Assim eu definiria “Strawberry Swing“, clipe da música homônima contida no devastador “Viva la Vida or Death and All His Friends“, Melhor Álbum de Rock do Grammy Awards de 2009 e álbum mais vendido de 2008.

Neste clipe, Chris Martin, vocalista do Coldplay, vive uma história de amor e aventura. Tudo isso se dá através de desenhos a giz colocados no chão do galpão onde o clipe foi gravado, constituindo a técnica de Stop Motion, uma das mais demoradas e trabalhosas do mundo cinematográfico.

Strawberry Swing” foi sucesso de crítica, tanto pela qualidade e composição da gravação (áudio), quanto pela continuidade dada quadro a quadro dentro do clipe. É por essas e outras que o Coldplay merece estar no posto de uma das melhores bandas da atualidade.

twitter.com/cadu_macedo