Weekend’s Clip: “The Guitar Man”, do Bread

14 08 2010

Desculpem pela má qualidade do vídeo. Foi o único decente que encontrei.

Essa semana foi a volta às aulas na minha faculdade, portanto, não tô com muito saco pra escrever xD

“Guitar Man”, sucesso da década de 1970, jogou a já conhecida banda de acordes harmoniosos e singles de rock bem melódicos no topo do Billboard. Bread correu o mundo e todos se identificavam com o “Guitar Man” (guitarrista), sonho dos jovens daquela época (e dos de hoje também).

Curtam Bread. E lembrem-se: “The Guitar Man” não é uma música do Cake! É do Bread!

Nunca confudam.

@cadu_macedo

Anúncios




Thiago Pethit

11 08 2010

Eu tenho que confessar que eu não era muito fã de MPB. Ouvia uma música ou outra, mas não conhecia o trabalho de nenhum artista, de verdade. Tudo mudou esse ano quando, em uma viagem, eu conheci Tiê (mas essa é pra depois). Depois de ser apresentado ao maior vício da minha vida, conheci agora o Thiago Pethit.  Ele é um cantor e compositor paulistano de 27 anos, e lançou o primeiro álbum, “Berlim, Texas”, esse ano (tendo outro EP, “Em outro lugar”, de 2008). Eu sou um grande fã, e tenho que confessar: ele e Tiê são a mesma pessoa; na verdade, é como se o mesmo artista ocupasse o corpo dos dois. E é claro que isso é simplesmente ótimo. Eu não sei quem influenciou quem, mas ter duas Tiês é esplêndido (hahahahahaha e que fique bem claro que minha opinião vai ser bem parcial, porque eu adoro a música dos dois); os dois até tocaram no Coquetel Molotov do ano passado (ao qual eu não fui, risos). Todo mundo que conhece Tiê também conhece Pethit, e falam que é praticamente impossível não gostar dos dois se você gosta de um. Também, né?

O álbum começa com “Não se vá”, que não é uma das minhas favoritas, mas mesmo assim é muito boa. “Espero que você não se vá / se eu não tiver nada mais para te contar / (…) é triste sim, eu sei / duas pessoas em silêncio / sempre dão tanto o que falar”. Avisando: todas as músicas do álbum são uma choradeira só sobre coração quebrado, amor perdido e coisas do gênero, portanto, se você não curte música triste, pode parar por aqui.
As minhas favoritas mesmo são “Forasteiro” e “Sweet funny melody”. Em “Sweet funny melody”, ele canta: “you can break my heart in one or two / or more than a thousand pieces / you can bring me down / you can take me high and fly and fly / oh boy, we still have / one last dance to dance / let’s take it as a bet / let’s give us one last chance”. Olha o masoquismo: “you can brake my heart in one or two / or more than a thousand pieces / you can bring me down”. Já deu pra perceber que eu também tenho uma não-correspondência, né? haha.

Outras duas músicas muito boas são “Fuga no. 1” e “Outra canção tristonha”. “Nos meus sonhos eu fujo / faço as malas e sumo / vou andando devagar pra você me alcançar / viro numa esquina e paro no mesmo lugar / em que eu te conheci / mas você não estava lá dessa vez / para me dizer pra onde devo ir”. Chore. Chore. Chore. Agora olha isso: “Dessa vez eu vou tentar sorrir / nem que seja só pra constatar que eu não consegui / e mesmo assim você não estará pra ver / (…) cada vez mais longe você vai ficar de saber / se há motivos pra eu cantar / ou só pra fazer / outra canção tristonha, sentimental, sobre você”. Outra música de destaque é “Em outro lugar”, só que ela está no EP, e não no álbum. “Já fui daqui até Paris / a pé pra te encontrar / eu vi o sol nascer ali  / e morrer do lado de lá / quando outono é aqui / estou a flor e ar”.

Enfim, Thiago Pethit é um bom artista para os ouvintes de bom ouvido, e um ótimo artista para os ouvintes de coração quebrado (hahaha). O trabalho dele fala sobre: amor, amor, amor, desilusão, amor, dor, amor, desilusão, amor, esperar o amor, amar, amar, solidão, amor. Não há nada melhor do que ouvir alguém lamentando um amor falido quando você também tem um. E se você quiser isso, ouça Thiago Pethit.

Pethit esteve domingo 25 na Livraria Saraiva, com um pocket show. Eu achei que fosse o domingo seguinte, dia 01, aí não fui. Já é a segunda vez que ele vem em Recife e eu não vou, então já viu, né? (~kk~). O site oficial dele é http://thiagopethit.com/ e o twitter é http://twitter.com/thiagopethit. Ele também está concorrendo a Aposta do Ano MTV 2010 no VMB, então, se você gostar do trabalho dele (somente se gostar!) vá no site da MTV e vote (não esqueça também de votar na Tiê para Revelação do Ano no site da Multishow, risos).

Por onde é que andarás?
o extremamente emotivo @idealismo_.
De bônus, eu upei no 4shared uma coletânia de músicas da Soko, com 17 faixas, para quem ficou interessado e é preguiçoso, ou pra quem não é interessado, se interessar (lembrando que ela vem pra Recife pro Coquetel Molotov); algumas são versões não-finalizadas, então não é minha culpa se o áudio estiver uma porcaria, hein?




Weekend’s Clip: “Misery”, do Maroon 5

7 08 2010

Talvez vocês não entendam esse clipe! xD

Brincadeira. De primeira, eu achei muito estranha toda a disposição das cenas e fotografia, mas depois vi que o enredo é que é non-sense mesmo.

Primeiro single do Maroon 5 em 3 anos, “Misery” mostra que a banda estadunidense ainda cai nos mesmos ritmos e baladas românticas dos álbuns bem sucedidos “Songs About Jane” e “It Won’t Be Soon Before Long”. A banda, pelo que se pode verificar no últimos anos, não se arrisca em novas terras, novos horizontes, não sonha com novas influências. Parece que o peso dos 5 Grammys adquiridos nos últimos anos não deixam acontecer um novo voo.

Tudo bem, em time que está ganhando a gente não deve mexer. Mas… inovar é sempre bom!

O novo álbum, “Hands All Over”, chega em setembro.

Curtam “Misery”.

(PS: sim, eu queria estar no lugar de Adam Levine. Ele que se deu bem aí xD)

@cadu_macedo