Weekend’s Clip: “Stairway to Heaven”, de Led Zeppelin

16 09 2010

Madison Square Garden, Nova York (1976)

Uma das mais famosas e bem feitas canções de todos os tempos, “Stairway to Heaven” demonstra o amadurecimento e a coragem do Led Zeppelin em se aventurar por novas águas. Dentre muitas outras inovações no seu som,  começar com tons mais simples e calmos, e, à medida em que a história é contada na música, ir subindo para arranjos muito mais difíceis fez da banda uma lenda do rock internacional.

O destaque vale para a duração de Stairway. Tudo por causa do ótimo solo de Jimmy Page xD

@cadu_macedo





Algumas sugestões

10 09 2010

Gabriela Cilmi: Sweet About Me
A voz dessa cantora parece muito com a da Amy Winehouse, só que mais animada e comercial. No refrão, ela alerta: “sweet about me / nothing’s sweet about me / yeah / sweet about me / nothing’s sweet about me.” Cativante.

Air: Run
Air é um duo eletrônico francês pouco conhecido, foi uma indicação de muito tempo atrás. Essa é a melhor música deles para mim, tavez porque tenha algum significado para mim e esse feeling triste. “I feel sad when you run run run run run run run run run run run run (…)”. O vídeo não é oficial.

Apanhador Só: O Rei e o Zé
“Um rei me disse que deixa ir tem pra sempre / e me contou que só foi rei porque pensa assim, tão diferente / e eu, que andava assim, tão zé / deixei que tudo fosse e decidi olhar pra frente”. É uma banda de Porto Alegre que está concorrendo ao VMB de Aposta MTV. Votem no Thiago Pethit! E o Apanhador só está fazendo show hoje, no Pátio de São Pedro. É gratuito.

Beck and Bat for Lashes: Let’s Get Lost
Essa é da trilha sonora de Eclipse, o terceiro Crepúsculo. É um synthpop bem triste. Viciei por muito tempo. “Just for tonight, darling / let’s get lost”.

Death Cab for Cutie: A Lack of Color
Outra recomendação, de algum tempo atrás. É uma das minhas músicas favoritas. “And all the girls in every girlie magazine / can’t make me feel any less alone / I’m reaching for the phone / to call at 7:03 and on your machine I slur a plea for you to come home / but i know it’s too late / I should have given you a reason to stay / given you a reason to stay”. Sad =C

Adele: Daydreamer
Adele é a nova Amy Winehouse (que por sinal, vai se apresentar aqui em Recife em janeiro), só que sem os excessos autodestrutivos. É uma das melhores vozes que eu já ouvi. Foi muito aplaudida pela crítica britânica. “Daydreamer” está empatada na minha música favorita, junto com “Samson”, da Regina Spektor, e “Nicest thing”, da Kate Nash.

Nô Stopa: Strange Love
Me recomendaram essa banda pelo orkut e eu sei nada a respeito dela. É um cover de Depeche Mode. “Strange Love” é uma daquelas músicas. “Strange love / strange highs and strange lows / strangelove / that’s how my love goes / strange love / will you give it to me? / will you take the pain / I will give to you? / again and again / and you return it.” É bem suave.

Thom Yorke: Hearing Damage
Da trilha sonora de Lua Nova. O vocalista de Radiohead conseguiu uma música viciante, bem sintética. É até estranha.

Regina Spektor: The Call
É da trilha sonora do segundo filme das Crônicas de Nárnia. É, na minha opinião, uma das melhores da Regina. Alimenta muito bem certas esperanças.

Tiê: Se Enamora
Essa música da Tiê eu descobri depois das outras, escondida nos porões do 4shared. É uma regravação (fantástica na voz dela) de uma música do Balão Mágico. Só ouvindo pra sentir.

@mlandinagens





Weekend’s Clip: “The Guitar Man”, do Bread

14 08 2010

Desculpem pela má qualidade do vídeo. Foi o único decente que encontrei.

Essa semana foi a volta às aulas na minha faculdade, portanto, não tô com muito saco pra escrever xD

“Guitar Man”, sucesso da década de 1970, jogou a já conhecida banda de acordes harmoniosos e singles de rock bem melódicos no topo do Billboard. Bread correu o mundo e todos se identificavam com o “Guitar Man” (guitarrista), sonho dos jovens daquela época (e dos de hoje também).

Curtam Bread. E lembrem-se: “The Guitar Man” não é uma música do Cake! É do Bread!

Nunca confudam.

@cadu_macedo





Thiago Pethit

11 08 2010

Eu tenho que confessar que eu não era muito fã de MPB. Ouvia uma música ou outra, mas não conhecia o trabalho de nenhum artista, de verdade. Tudo mudou esse ano quando, em uma viagem, eu conheci Tiê (mas essa é pra depois). Depois de ser apresentado ao maior vício da minha vida, conheci agora o Thiago Pethit.  Ele é um cantor e compositor paulistano de 27 anos, e lançou o primeiro álbum, “Berlim, Texas”, esse ano (tendo outro EP, “Em outro lugar”, de 2008). Eu sou um grande fã, e tenho que confessar: ele e Tiê são a mesma pessoa; na verdade, é como se o mesmo artista ocupasse o corpo dos dois. E é claro que isso é simplesmente ótimo. Eu não sei quem influenciou quem, mas ter duas Tiês é esplêndido (hahahahahaha e que fique bem claro que minha opinião vai ser bem parcial, porque eu adoro a música dos dois); os dois até tocaram no Coquetel Molotov do ano passado (ao qual eu não fui, risos). Todo mundo que conhece Tiê também conhece Pethit, e falam que é praticamente impossível não gostar dos dois se você gosta de um. Também, né?

O álbum começa com “Não se vá”, que não é uma das minhas favoritas, mas mesmo assim é muito boa. “Espero que você não se vá / se eu não tiver nada mais para te contar / (…) é triste sim, eu sei / duas pessoas em silêncio / sempre dão tanto o que falar”. Avisando: todas as músicas do álbum são uma choradeira só sobre coração quebrado, amor perdido e coisas do gênero, portanto, se você não curte música triste, pode parar por aqui.
As minhas favoritas mesmo são “Forasteiro” e “Sweet funny melody”. Em “Sweet funny melody”, ele canta: “you can break my heart in one or two / or more than a thousand pieces / you can bring me down / you can take me high and fly and fly / oh boy, we still have / one last dance to dance / let’s take it as a bet / let’s give us one last chance”. Olha o masoquismo: “you can brake my heart in one or two / or more than a thousand pieces / you can bring me down”. Já deu pra perceber que eu também tenho uma não-correspondência, né? haha.

Outras duas músicas muito boas são “Fuga no. 1” e “Outra canção tristonha”. “Nos meus sonhos eu fujo / faço as malas e sumo / vou andando devagar pra você me alcançar / viro numa esquina e paro no mesmo lugar / em que eu te conheci / mas você não estava lá dessa vez / para me dizer pra onde devo ir”. Chore. Chore. Chore. Agora olha isso: “Dessa vez eu vou tentar sorrir / nem que seja só pra constatar que eu não consegui / e mesmo assim você não estará pra ver / (…) cada vez mais longe você vai ficar de saber / se há motivos pra eu cantar / ou só pra fazer / outra canção tristonha, sentimental, sobre você”. Outra música de destaque é “Em outro lugar”, só que ela está no EP, e não no álbum. “Já fui daqui até Paris / a pé pra te encontrar / eu vi o sol nascer ali  / e morrer do lado de lá / quando outono é aqui / estou a flor e ar”.

Enfim, Thiago Pethit é um bom artista para os ouvintes de bom ouvido, e um ótimo artista para os ouvintes de coração quebrado (hahaha). O trabalho dele fala sobre: amor, amor, amor, desilusão, amor, dor, amor, desilusão, amor, esperar o amor, amar, amar, solidão, amor. Não há nada melhor do que ouvir alguém lamentando um amor falido quando você também tem um. E se você quiser isso, ouça Thiago Pethit.

Pethit esteve domingo 25 na Livraria Saraiva, com um pocket show. Eu achei que fosse o domingo seguinte, dia 01, aí não fui. Já é a segunda vez que ele vem em Recife e eu não vou, então já viu, né? (~kk~). O site oficial dele é http://thiagopethit.com/ e o twitter é http://twitter.com/thiagopethit. Ele também está concorrendo a Aposta do Ano MTV 2010 no VMB, então, se você gostar do trabalho dele (somente se gostar!) vá no site da MTV e vote (não esqueça também de votar na Tiê para Revelação do Ano no site da Multishow, risos).

Por onde é que andarás?
o extremamente emotivo @idealismo_.
De bônus, eu upei no 4shared uma coletânia de músicas da Soko, com 17 faixas, para quem ficou interessado e é preguiçoso, ou pra quem não é interessado, se interessar (lembrando que ela vem pra Recife pro Coquetel Molotov); algumas são versões não-finalizadas, então não é minha culpa se o áudio estiver uma porcaria, hein?




Weekend’s Clip: “Misery”, do Maroon 5

7 08 2010

Talvez vocês não entendam esse clipe! xD

Brincadeira. De primeira, eu achei muito estranha toda a disposição das cenas e fotografia, mas depois vi que o enredo é que é non-sense mesmo.

Primeiro single do Maroon 5 em 3 anos, “Misery” mostra que a banda estadunidense ainda cai nos mesmos ritmos e baladas românticas dos álbuns bem sucedidos “Songs About Jane” e “It Won’t Be Soon Before Long”. A banda, pelo que se pode verificar no últimos anos, não se arrisca em novas terras, novos horizontes, não sonha com novas influências. Parece que o peso dos 5 Grammys adquiridos nos últimos anos não deixam acontecer um novo voo.

Tudo bem, em time que está ganhando a gente não deve mexer. Mas… inovar é sempre bom!

O novo álbum, “Hands All Over”, chega em setembro.

Curtam “Misery”.

(PS: sim, eu queria estar no lugar de Adam Levine. Ele que se deu bem aí xD)

@cadu_macedo





Weekend’s Clip: “Moonage Daydream”, de David Bowie

31 07 2010

A coluna “Weekend’s Clip” de hoje deixará de lado, pelo menos por um dia, os clipes de estúdio.

“Moonage Daydream”, de David Bowie, foi lançada em 1971, junto com o poderoso e lendário álbum “The Rise and Fall of Ziggy Stardust“, obra-prima de David.

Este ao vivo, gravado no concerto de despedida de Bowie (da sua banda), em 1973, mostra o cantor na sua melhor forma do personagem Ziggy Stardust, nome do alienígena que o artista incorporou nessa época. Pra quem não conhece a história do álbum, não se preocupe, o Acervo Musical lançará a sua análise por esses dias. ; )

Apenas curtam a música e experimentem a mente de Bowie.

@cadu_macedo





Nota de Emergência – Soko e Coquetel Molotov

30 07 2010
As primeiras notícias sobre o Coquetel Molotov 2010 já começaram a sair e… SOKO! SOKO! SOKO! SIM! SOKO! Stéphanie Sokolinski está vindo para Recife para cantar no festival e todo mundo que for vai ter a oportunidade de ouvir a ótima artista que ela é! Vamos todos odiar aqueles(as) que roubaram os corações dos nossos amados(as) em “I’ll kill her”, nos declarar ao som de “Take my heart” ou fazer as pazes cantando “It’s raining outside”. Imperdível.
.
Esse ano o Coquetel vai passar por vários lugares, começando no dia 03 de setembro, mas aporta no Centro de Convenções da UFPE dias 24 e 25. Outras atrações confirmadas (até agora): Otto, Emicida, Anna Von Hausswolff, Taxi Taxi! e Taken by Trees. O Acervo vai postar mais notícias sempre que souber de algo.